segunda-feira, 24 de junho de 2013

O ronco das grávidas e a diabetes gestacionais

O ronco, além de atrapalhar o sono de quem está ao lado, pode indicar problemas para as grávidas.
              

            É comum as grávidas roncarem decorrente da inchaço das vias nasais, que podem bloquear as vias respiratórias. Mas às vezes, o ronco pode ser um sinal de problemas de saúde.
Por isso, o sono de 189 mulheres foi avaliado por cientistas da Faculdade de Medicina Feiberg, da Universidade de Northwesten nos Estados Unidos.Essa mulheres tinham cerca de 6 a 20 semanas de gestação.

Resultado. 

Os cientistas constataram que as futuras mães,que apresentam o problema por no minimo, três noites na semana  estão mais propensas   a desenvolver diabetes gestacional.As que roncam frequentemente tiveram 14,3% de chances de ter diabetes gestacional, enquanto as outras apenas 3,3%.
Os pesquisadores ressaltam há necessidade de novas analises para compreender a associação entre o ronco e a diabetes. E alertam para a importância de avisar o médico sobre problemas do sono com a gravidez.

Segundo os cientistas, ruídos noturnos indesejados durante a gravidez, podem ser desencadeados  pelo ganho de peso e edemas (acúmulos de líquidos), aumentando a resistência das vias aéreas.


Diabetes Gestacional

              É uma doença crônica relacionada por hiperglicemia, isto é, um aumento da taxa de açúcar no sangue. É uma condição de intolerância aos carboidratos de graus variados de intensidade, caracterizado pelo  seu inicio ou seu primeiro reconhecimento durante a gestação, podendo ou não persistir apos o parto.

Os bebês de mães com diabetes gestacional, estão mais suscetíveis a apresentar um tamanho maior que o esperado,o que dificultam o parto. Além de baixos níveis de açúcar no sangue, obesidade e síndrome metabólica
A gravidez é um período muito exigente, e conforme a gravidez progride a qualidade do sono torna-se cadas vez pior.

Se essa situação agravar alerte seu medico.


Fonte: Revista Materlife


quarta-feira, 19 de junho de 2013

Mamãe com Hepatite

A hepatite é uma inflamação no figado, ele é um dos mais importantes órgãos  do corpo humano e quando está lesionado perturba todo o funcionamento do organismo.

O vírus da hepatite pode ser transmitido através da água e de alimentos contraminados como materiais fecais (A e E), pelo contato com sangue contaminado (B, C, D e G) e por via sexual (B, C e D).

Os vírus têm período de incubação diferentes e, em muitos casos os doentes não apresentam sintomas. O tipo A e E não se tornam cronicas, em quanto a passagem à situação da cronicidade é bastante elevada na hepatite C e comum nas hepatites B,D,G, embora esta última doença não apresente muita gravidade.


Tipos de Hepatite

 Existem seis tipos de vírus de hepatite :

1 - Hepatite A:  A transmissão ocorre através de alimentos ou água contaminada por materiais fecais.Para o tratamento não há remédio especifico, mas a alimentação deve ser rica em proteínas e baixa em gordura.

2 - Hepatite B: Encontra-se no homem doente e no portador. A transmissão acontece através do contato com sangue contaminado ( partilha de seringas e outros materiais usados pelos consumidores de drogas intravenosas, tatuagens, acupuntura, transfusões de sangue e derivados), do contacto sexual e da transmissão materno-fetal. É a mais perigosas das hepatites e uma das doenças mais graves do mundo.

3 - Hepatite C: A transmissão acontece através de sangue ou produtos sanguíneos contaminados e existe um risco de  6% da mãe infectada poder transmitir o vírus ao feto. Nos casos de hepatite C e G cronicas, não são conhecidos, até agora, riscos no aleitamento, exceto se existirem  cortes ou feridas nos mamilos e na boca do bebê.

4 - Hepatite D: Ela é transmitida através do contato com o sangue contaminado e fluidos sexuais. Só se consegue multiplicar a doença em presença de vírus da hepatite B, A infecção com VHD pode ocorrer em simultâneo com a da VHB (co-infecção) ou ocorrer depois da pessoa já ser portadora do vírus da hepatite B (superinfecção).

5 - Hepatite E: É a hepatite mais comum nos climas quentes e maior perigo de infecção registra-se nos países em desenvolvimento co condições de higiene e saneamento básico precárias.A doenças, em geral, não é grave, exceto quando ocorre uma hepatite fulminante (interrupção total ou quase total do funcionamento do figado).

6 - Hepatite G: Por ter sido descoberto recentemente (1995), ainda não foi possível determinar com exatidão as consequências da infecção por este vírus, mas, por enquanto, tudo leva a crer que o vírus não provoca lesões hepáticas. Transmite-se por via sanguínea, mas desconhecem-se ainda outras formas de possíveis de contagio, não existe um tratamento especifico e também não existe vacina.




terça-feira, 18 de junho de 2013

Conheça os cinco maiores problemas das Altas Temperaturas na gestação.

1- Inchaço nas pernas e nos pés.
    
     O inchaço poe ser provocado pelas alterações de circulação causadas pela gravidez devido compressão do útero sobre os vasos, ecesso de peso, lteração hormonais entre outras, prejudicando o retorno do sangue das pernas e do coração. O execesso de calor faz com que as veias se dilatem, causando inchaço nas pernas e nos pés.
      como evitar: mantendo as pernas elevadas enquanto dorme com a ajuda de uma toalha ou uma almofada.

2- O mal das varizes.
     
    Durante a gestação, as varizes surgem devido ao crescimento do útero que passa a comprimir as veias na região do abdômen."O aumento de peso e a elevação da progesterona também faz com que ocorra a dilatação das veias nas pernas.
     como evitar: evite cruzar as pernas e, quando for dormir apoie os pés sobre um travesseiro para facilitar a circulação.Evite o uso de roupas apertadas, prefira as soltas e confortaveis.

3 - Cuidado com trombose.
   
      Essa doença é decorrente da absorção de uma veia por coágulo (chamado de trombo), impedindo ou dificultando parcialmente a passagem do sangue no local.Se a gestante passa se queixar de dor persistente nas pernas, que piora ao tentar alongar o músculo.
      como evitar: evite ficar muito tempo em uma única posição: sentada ou em pé.Durante viagens longas, use sapatos confortaveis e que não apertem, caminhe dentro de aeronaves ou veiculos de transporte quando possível, Utilize meias elásticas sempre orientação do angiologista.

4 - Desidratação e queda de pressão.
     
      Cansaço, tontura e suor em execesso são as principais reclamaçãoes das gestantes durante o verão.O calor dilata os vasos sanguineos, dai surge a sensação de cansaço e tontura , ocorrendo o risco de desmaios "
       como evitar: evite exposição solar nos horariosde pico, entre as 11h e 16h, não frequente local abafado, sem circulação apropriada de ar ou ambientes com muita aglomeração.

5 - Câimbras
    
      A perda ecessiva de água e sais minerais, como sódio e potássio, por meio de tranpiração e a compressão do sistema vascular por onde retorna o sangue das partes baixas favorece o surgimento de câinbas, principalmente pela manhã, a dilatação dos vasos periféricos e a diminuição do fluxo sanguineo comprometem a oxigenação dos músculos das pernas.
     coo evitar: beba bastante água, repouse e tente ficar mexendo os tornozelos e os pés enquanto estiver sentada para não deixá-los na mesma posição por muito tempo.A noite durma com as pernas elevadas para ajudar o retorno venoso.

Fonte: revitas materlife.



    

Intestino Preso na Gravidez

Os sintomas tende a se agravar a partir do segundo trimestre, quando o bebe esta maior e o intestino fica mais pressionado.
Invista em hábitos já conhecidos, como aumento da ingestão de água e fibras e redução da ingestão de gorduras e açucares.
Determine diariamente um horário para sentar-se l vaso sanitário, mesmo sem vontade, permaneça de 10 ou 15 minutos Esse método, pode não funcionar nos primeiros dias, mas com o tempo, a resposta ao chamado do organismo virá habito.
Experimente consumir iogurtes com probióticos, que são capazes de ajudar a boa saúde digestiva, inclusive durante a gestação.
Evite banana, maçã, pêra e goiaba, que são constipantes.
A ingestão de líquido é muito importante para evitar que as fezes endureçam e para facilitar sua passagem pelo intestino.Boas opções são sucos naturais, vitaminas como mamão e água de coco.
Para dar mais um empurrãozinho  no intestino é recomendado praticas de atividades físicas moderadas e constantes, como hidroginástica, yoga e caminhadas, se o medico liberar. Isso porque o exercício estimula a peristaltismo, ou seja, o movimento intestinal, favorecendo a eliminação.